Vinte e Alguma Coisa

Amor não é a resposta, trabalho também não é.... A verdade é tão incompreensível que dói... Mas eu continuo me divertindo e acho que essa é a chave.. Tenho vinte e poucos e continuarei sendo a mesma coisa....

Viola minha viola

Nenhum comentário
A ideia original era que o próximo post seria sobre Scrum master. Mas, porém, contudo, todavia, decidi mudar. Estava eu na leitura diária de notícias pós almoço quando me deparo com a seguinte:

Pá de cal sobre duas atrações :Presidente da TV Cultura diz que, com morte de apresentadores, “Viola Minha Viola” e “Provocações” chegam ao fim 

Como diria aquela música: "Levou um susto que lhe abriu aboca" (E.C.T. - Nando Reis)e deciciu que tinha que vir aqui lamentar publicamente.

O programa, Viola minha viola, como o próprio nome sugere é focado em música caipira brasileira. Música caipira?? Jura, Maíra? Você gosta mesmo?  Gosto! Creio que todo mineiro tem seu pezinho no interior e gosta daquele apertinho no peito quando escuta uma moda de viola. Posso estar errada, mas se eu tivesse que apostar apostaria...

Ok, o programa trata de música caipira e foi cancelado. Beleza, você pode ouvir mil músicas caipiras por aí. Por que a senhorita está aqui enchendo minha tela com reclamações. Vejamos, meu caro leitor, o que a Wikipedia nos diz do referido:

"Um dos mais tradicionais programas de música caipira na televisão brasileira, o Viola, Minha Viola é apresentado semanalmente desde 25 de maio de 1980. Inicialmente, era apresentado por Moraes Sarmento e Nonô Basílio. Em seguida, em parceria de Sarmento com Inezita Barroso. E, desde meados da década de 1990, após a morte dele, apenas por Inezita.
O programa Viola Minha Viola, da TV Cultura , completa em 2014 a marca de 34 anos de transmissão ininterrupta. É o mais antigo programa musical da TV brasileira. No contexto audiovisual, é também a principal fonte de registro da música caipira e sua evolução recente. Comandado por Inezita Barroso, o “Viola” se tornou um templo de resistência e de audiência." 


Viu? Viu?? Mais de trinta anos no ar!! Que programa ficou esse tempasso no ar? Cite-me só um, meu caro leitor, só um e eu largo minhas chorumelas e vou cuidar de Testar Softwares.

Como não creio que tenha achado, prossigo com minhas reclamações: estão matando o maior programa da TV brasileira. Tá, Maíra, já entendi. Mas olha só você nem assiste TV, já tava sabendo que a Inezita Barroso faleceu , por que esse escândalo todo? Explico.

Eu detestava o programa. Detestava é leve. Eu odiava mesmo. Essa raiva tinha lá seu fundamento: quando eu era uma simples criança minha avó morava lá em casa. E nessa época tínhamos somente uma TV. Vó passou por uma fase de não poder fazer longas caminhadas.Assim, ela não podia ir à missa nas manhãs de domingos. Compreensível e aceitável para católicos mais "relaxados" com esta que vos escreve, para minha vó era quase morte. Como esse impasse foi solucionado?? Contrariada, vó assistia à missa pela TV. Até aí tudo bem, eu aceitava e entendia. Ela precisava assistir. Só que, depois da missa, ela continuava monopolizando a TV. E o que ela assistia? Sim senhores, Viola minha Viola.

Sentada lá esperando o programa acabar e criticando cada uma das atrações,  eu passava boa parte das minhas manhãs. Nunca me passou pela cabeça a opção de não ficar incomodada e ir fazer outra coisa. Minha avó nunca respondeu nenhuma das minhas críticas. Hoje penso que ela nem me ouvia reclamar. Ficar lá curtindo a música, talvez relembrando seu tempo de criança em Piedade de Ponte Nova....



Os domingos foram passando, eu fui amadurecendo, começando a entender aquelas letras, começando a gostar daquele som e acabou que eu comecei a ligar o programa depois que voltávamos da missa. Vó sempre falava que estava ocupada, que "Tv não dá camisa para ninguém" mas sempre ia. Sentava-mos lá e assistíamos. E foi assim durante um bom tempo. Depois que vó foi para o andar de cima, vezes eu ainda sentava lá e chamava minha irmã. Vezes eu não sentava. E assim foi. Aprendi mesmo a gostar do programa. E agora não tem mais. Não tem mais vó, não tem mais programa.

E assim, ficarei saudosa. E concluo com a frase que a Inezita dizia, que minha vó dizia e que, agora, até mesmo eu dizia "Eita programa que eu gosto".



Nenhum comentário :